Suas últimas palavras

Será sua última chance de ser lembrado por algo criativo, de impacto,memorável.
Mas, lembre-se, vai depender só de você.
Não vai ser como nos filmes, com trilha sonora dramática ou efeitos especiais É você prestes a abrir a porta da eternidade.
Concentre-se: é sua última chance de fazer com que as pessoas esqueçam todas as bobagens que você já disse, para ser lembrado apenas pelas suas palavras finais.
Eu, por exemplo, não quero ser surpreendido e chegar a essa hora decisiva sem um texto pronto e decorado.
Andei lendo as últimas palavras de gente célebre e vi como muitos quase puseram a perder suas biografias por dizerem banalidades numa hora tão solene.


Elvis Presley disse à namorada: “Vou ao banheiro para ler”

 

Frank Sinatra, podendo falar da Ava Gardner, das suas músicas e de seus filmes, disse apenas: “Estou perdendo”.

 

Alfred Hitchcock, que sempre soube terminar bem seus filmes, sobre a vida: “Nunca se sabe o final”.
Salvador Dali queria saber apenas, “Onde estão meus relógios?”.
Outros não perderam a pose nessa hora crucial.

Churchill: “Estou entediado com tudo isso”
Frida Kaklo: “Espero que a saída seja alegre porque nunca mais vou retornar.”
Beethoven: “Aplaudam amigos, a comédia terminou.”
Anna Pavlova, esperava continuar dançando: “Aprontem a minha fantasia de cisne branco”.


Marx foi contestador até o fim: ”Últimas palavras são para tolos que nunca disseram o suficiente”.
O outro Marx, Groucho sobre o que lhe aguardava:“Por que eu deveria me importar com a posteridade? Ela nunca fez nada por mim. “


O melhor de todos foi Getúlio Vargas que deixou por escrito suas últimas palavras: “Saio da vida para entrar na história”.
Munido de todos esses exemplos estou preparando meu discurso final, que espero seja provocativo suficiente para não abalar a minha fama de mau. Não pretendo nesse último momento, amolecer o coração para ser lembrado depois como aquele cara que “apesar de tudo, no fundo era um bom sujeit

Síndrome da nostalgia.

A partir de certa idade, as pessoas mais velhas são atacadas irremediavelmente pela doença da nostalgia e precisam falar sobre isso sem parar. Tudo era melhor nesse passado idílico, mesmo que saibam racionalmente que, na maioria dos casos, era bem pior.
Não se trata de uma doença nova, gerada por uma sociedade consumista que despreza os mais importantes valores morais, como esses doentes costumam afirmar para justificar suas crises de incompatibilidade com o presente. Quase diria que é uma doença congênita. Nascemos com seus genes e, a partir de certa idade, na maioria dos casos por volta dos 50 anos, eles começam a se desenvolver rapidamente.
Como um dos portadores dessa síndrome, sei de experiência própria, que a nossa geração de nostálgicos não inventou essa doença. Ela é bem antiga e dou um exemplo pessoal para comprovar a tese.
Quando criança, na casa dos avós, ouvia um lamento permanente sobre as agruras do presente:
– Bom era antigamente.
Antigamente era melhor em tudo, principalmente no valor dos objetos. Absolutamente todas as coisas eram melhores e mais baratas nesses tempos que compunham o que chamavam de antigamente. Tanto falaram que me convenceram – então um menino de 6 ou 7 anos – que os tempos de antigamente eram melhores e comecei a sonhar com sua volta.
Um dia, me deram uma cédula, provavelmente de uns 10 cruzeiros, ou talvez 10 mil reis, para comprar o boné que eu tanto queria. Quando, depois, me perguntaram se eu tinha comprado o tal boné, respondi, demonstrando, já em tão tenra idade, um comportamento extremamente prudente, que iria esperar pela volta do “antigamente”, quando certamente me sobrariam alguns trocados, depois de comprar o boné, possivelmente para comprar um sorvete, que obviamente seria também melhor que os atuais.
Os pacientes dessa doença têm a característica de estabelecer relações com outros que padecem de sintomas semelhantes para se dedicar à manifestação mais clássica de sua presença insidiosa: falar do passado. Com meu amigo Ibsen, falo sobre os velhos times do Internacional e formamos grandes seleções simbólicas misturando duas ou três gerações que existem hoje em nossas lembranças: Ivo, Nena, Salvador, Oreco, Tesourinha, Adãozinho, Chinesinho, Ávila e Carlitos.
Com o Luís Augusto, percorria, com os velhos bondes da Carris, os bairros da cidade, enumerando um a um os cinemas de cada avenida, do centro até os vários fins de linhas. Começando do Centro, do Imperial, Guarani, Rex, Ópera, Carlos Gomes e Continente, seguimos até o fim da linha Floresta, que era na Igreja São João e depois foi um pouco mais adiante, até a entrada da Vila do IAPI, passando, então, pelo Ipiranga (que foi até o fim com suas cadeiras de madeira), Colombo (onde passavam os filmes da Metro, junto com o Avenida), Orfeu (que virou Astor), Eldorado e Rosário (que, junto com o Imperial, Ritz e Marrocos, foi o pioneiro do cinemascope em Porto Alegre).
Para qualquer bairro que os bondes nos levavam, sempre tinha um cinema à nossa espera: o Rival, na Auxiliadora; o Ritz, em Petrópolis; o Marrocos, no Menino Deus; e o Teresópolis, lá na Praça Guia Lopes. Nos melhores dias, lembrávamos o Palermo, o Gioconda, o Rio Branco o Navegantes, o Atlas, o América, o Rei e o Talia.
Nessa linha cinematográfica, mas aí entrando nos cinemas para ver os filmes, com o Hélio Nascimento a quem, infelizmente, encontro muito pouco, falamos de Einsentein, Bergmann, De Sica, Renais, Visconti, Kurosava e Kubrick, como grandes amigos que conhecemos no Clube do Cinema, juntos com o P.F.Gastal.
Com o Gonzales, são dos publicitários e jornalistas incrivelmente mais inteligentes e criativos que os atuais, sobre os quais falamos, enumerando suas qualidades e idiossincrasias.
Com o Eloy, falamos co curso de História da Ufrgs, de como a maioria dos seus professores eram conservadores e nunca esquecemos da a única resposta que o Schmidt aceitava como correta para a pergunta – o que aconteceu com a expedição de Colombo na véspera da descoberta da América – era “do alto da gávea Rodrigo de Triana viu uma luz bruxuleante no horizonte”.
Com o Batista Filho, os diálogos são sobre políticos, chegando sempre à invariável conclusão que nunca existiu nenhum tão corajoso e correto como o doutor Brizola.
Com o Werner, é a desconstrução das biografias de personagens conhecidos da vida pública desde os tempos da TV Piratini.
Com o Dr. Franklin, as memórias vão desde época em que os gaúchos sonhavam em ser aviões da Varig e a gente acreditava piamente que o socialismo estava a um passo, logo ali dobrando a esquina, até o Pitigrilli, da Loura Dolicocéfala, que as pessoas hoje nem advinham quem seja.
As mulheres parecem sucumbir menos a esta moléstia, mas, às vezes, também podemos diagnosticar nelas alguns traços da doença.
Uma amiga, a quem perguntei de modo galhofeiro se a nossa amizade incluía alguma chance de uma “transadinha” rápida, se queixou depois para uma conhecida, que os homens não eram mais como os de antigamente, que, no máximo, convidavam as mulheres, primeiro para um cineminha e depois, no melhor dos casos, para uma pizza.
Caso ao ler essa crônica, que é mais um desabafo, você tenha percebido que também é portador de algum desses sintomas, por favor aproveite o espaço e fale de alguma coisa importante que se perdeu no seu passado.
Curar essa doença, não cura, mas ajuda a passar o tempo…pelo menos, aquele que ainda nos resta.
Em tempo: Post Scriptum (conhecido também como Roberto Pintaúde) criou na sua Web e/ou um programa só sobre nostalgia, no caso sobre o futebol de antanho, chamado Barba, Cabelo e Bigode.

Do Coronel Kurtz ao Capitão Bolsonaro.

Daqui alguns anos, quando uma maior distância dos fatos nos permitir examinar com mais isenção os acontecimentos políticos de hoje no Brasil, a figura de Jair Bolsonaro poderá ser vista com toda a sua dimensão de um pobre fanfarrão que, mesmo assim, foi capaz de representar um tipo de comportamento de uma grande parte da população.
Em seu livro “Siempre nos quedará Paris”, que o Dr. Franklin Cunha trouxe de Buenos Aires e gentilmente me emprestou, o filósofo argentino Jose Pablo Feinmann analisa o comportamento humano a partir de uma série de importantes filmes americanos.
Quando trata do filme Apocalypse Now, que Francis Ford Coppola fez em 1979, ele examina as razões que levam o enlouquecido coronel Walter Kurtz (Marlon Brando) a se internar nas selvas do Vietnam, onde reproduz em escala menor, tudo que os soldados americanos – teoricamente ainda não enlouquecidos – praticavam na guerra “oficial” contra os vietnamitas.
Diz Feinmann que não se pode fazer uma guerra racionalmente e que o filme é importante porque nos mostra a guerra como uma forma de loucura , onde seus participantes acabam assumindo por sua própria loucura que trazem latentes dentro de si e que a guerra, apenas faz aflorar.
Quando o coronel Kurtz, se defronta com o capitão Benjamin Willard (Martin Sheen) enviado pelo exército para encontrá-lo e matá-lo ele diz: “Vocês fazem a guerra igual a mim, em vocês está a barbárie do mesmo jeito que eu a exerço. Sou mais autêntico porque assumo a guerra com toda a atrocidade que a guerra implica.
Mesmo que a violência pregada pelo Bolsonaro, ao contrário do coronel Kurtz, se exerça num plano mais teórico – afinal, o Brasil ainda não vive numa guerra – ele apenas verbaliza um tipo de proposta com a qual comunga, ainda que não queira confessar isso, uma boa parte da população.
O exército americano realizou uma guerra extremamente selvagem no Vietnam bombardeando populações civis e destruindo a infraestrutura do país, mas seus generais sempre falaram que estavam lutando pela democracia.
O coronel Kurtz fazia o mesmo, sem qualquer tipo de desculpas.
Durante os governos militares no Brasil, os generais presidentes usaram da violência contra a população, mas raramente admitiam que a faziam . Ao contrário, diziam que estavam defendendo o país da subversão comunista.
O capitão Bolsonaro pretende usar toda essa violência, mas não esconde essa intenção, a exemplo do coronel enlouquecido do filme do Coppola.
O que nos deve deixar horrorizado é que personagens como Bolsonaro só são possíveis porque as pessoas carregam esse sentimento de violência que ele externa, escondido dentro de si e que raramente admitem sua existência..
Bolsonaro funciona como uma catarse coletiva, permitindo que milhões de pessoas – seus eleitores – possam extravasar esses sentimentos menos nobres e continuarem convivendo na sociedade como pessoas aparentemente civilizadas.
Bolsonaro diz o que elas pensam, inclusive na forma tosca da linguagem que costuma usar, permitindo que elas possam continuar se comportando de uma forma normal em seus relacionamentos.
No filme analisado por Feinmann, o capitão Willard percebe que ao se aproximar do coronel Kurtz se aproxima da loucura que está dentro dele também, porque sabe que “o coração das trevas a que se dirige, é uma viagem ao seu próprio interior, até suas próprias trevas”.
Os eleitores do Bolsonaro se recusam a se aproximar das razões que os levaram a esse voto insano, porque sabem que isso os levará também a assumir a condição de pessoas violentas e irracionais.

A democracia no discurso de Tarso

O ex-governador  e  ex-ministro Tarso Genro é um dos poucos políticos brasileiros com talento e cultura suficientes, para ir bem mais além da maioria dos críticos de esquerda, que se limitam a adjetivar o governo de Bolsonaro.

Principalmente no espaço que ocupa semanalmente no Sul-21,  além da critica contundente às medidas anti-populares da dupla Bolsonaro/Guedes na área sócio econômica, Tarso tem se dedicado a alertar às pessoas para o viés de caráter fascista que emana principalmente das declarações do presidente e de seus ministros.

Ao contrário do fascismo clássico de Hitler e Mussolini, que      comandaram estados – Alemanha e Itália – fortemente nacionalistas  e que exerciam uma autoridade sem limites,o governo Bolsonaro é extremamente submisso ao imperialismo norte-americano  e obrigado a conviver com um parlamento e um judiciário pouco submissos à sua vontade política, além de uma imprensa formalmente independente.

Como antídoto a esse viés de caráter fascista, que Tarso identifica no atual governo, ele tem proposto um projeto nacional de aprofundamento democrático. A julgar pelos seus textos, sua proposta é da formação de uma frente de partidos e organizações que ocupem um espectro político que vai da esquerda socialista a um centro liberal, com o objetivo de defender a continuidade do atual processo democrático e se possível  aprofundá-lo.

Dentro dessa perspectiva, um elemento clássico do Marxismo, a luta de classes como um fator acelerador do avanço em direção a uma sociedade socialista, teoricamente o objetivo final das esquerdas, não faz parte do discurso de Tarso.

Possivelmente, ela possa estar imaginando que levantar essa bandeira agora, dividiria a oposição anti-Bolsonaro, embora a história ensine que sempre que os trabalhadores, teoricamente os representantes mais interessados no socialismo, se uniram a seguimentos da burguesia – os defensores do capitalismo – para derrotar uma força ainda mais reacionária, sempre foram esquecidos depois da vitória final.

É possível que Tarso tenha posto o objetivo de conquista do socialismo como uma meta muito distante e defenda hoje um modelo capitalista parlamentar aos moldes das democracias europeias como a Inglaterra, França, Espanha e Portugal, todas elas possíveis apenas dentro do capitalismo.

Só que esse modelo, que preza o bem estar social, parece estar com seus dias contados diante do novo e voraz capitalismo financeiro globalizado, que não respeita fronteiras nem direitos democráticos.

Com suas economias dependentes, os países da América do Sul têm mostrado nesses últimos anos que as parcas conquistas sociais dos governos reformistas dos primeiros anos do século, estão sendo derrubadas uma a uma, ora por processos eleitorais fraudados pelo poder econômico, ora por golpes parlamentares e até mesmo pela velha violência dos golpes militares.

Foi assim no Paraguai, com Lugo; no Brasil, com Dilma, no Equador, com Correa; na Bolívia com Evo Morales e no Uruguai, com Tabaré Vasquez. A eleição de Fernandez na Argentina pouco muda esse quadro e só foi possível porque Macri, como FHC, no Brasil, praticamente quebrou o país.

Logo, logo, ele será enquadrado pelas forças anti-populares que também são fortes no seu país. O seu discurso de posse foi um bom sinal de que ele entendeu o recado. Defendeu com ênfase o feminismo, uma bandeira de luta plenamente aceitável dentro do capitalismo globalizado e não falou nada sobre o enfrentamento ao imperialismo, além de ter dispensado a presença de Lula e Morales na sua posse, os dois mais importantes políticos defensores de uma política de compensações sociais.

Na última eleição presidencial brasileira, o candidato do PT, Fernando Haddad ao propor o que poderia ser a sua política sócio econômica, num dos seus poucos momentos de franqueza, disse que os benefícios dados aos trabalhadores nos governos de Lula e Dilma só foram possíveis porque a conjuntura econômica internacional permitiu isso, sem que fosse necessário tirar dos mais ricos, mas que agora isso não seria mais possível e que os ricos teriam que dar sua contribuição.

Talvez até por isso, não foi eleito.

Aliás, o próprio Lula, sentindo-se traído pela grande burguesia, disse mais de uma vez que nunca empresários e banqueiros ganharam tanto como nos seus governos.

Voltando ao discurso de Tarso.

Uma grande união para resistir ao governo Bolsonaro é possível e necessária, ampliar as conquistas democráticas é fundamental, mas tudo sem perder de vista que a conquista do socialismo  deve ser o objetivo final.

Há mais de 100 anos Rosa Luxemburgo disse que a opção ao socialismo, era a barbárie, ao que István Mészáros  acrescentou no seu livro Socialismo no Século XXI, que a barbárie podia ser a melhor das hipótese,  porque o que o capitalismo está gerando é a perda das condições de vida humana no planeta.

Nessa hora será preciso desmistificar mais uma vez o conteúdo de classe com que o status quo enxerga a democracia e dar a ela um sentido realmente progressista e revolucionário.

Um pequeno livro lançado há pouco pela editora Boitempo, recupera alguns discursos de Lenin sobre o tema,  principalmente nos debates que travou com Kautsky sobre a questão da democracia. Disse o pensador e revolucionário russo: “ A democracia representativa se tornou a forma padrão de dominação burguesa, funcionando para os trabalhadores como uma forma de ditadura de fato”.

“A menos que se queira zombar do bom senso e da história, não se pode falar em democracia pura enquanto existirem classes diferentes. Só se pode falar em democracia de classes”

Em outra passagem dos seus discursos, Lenin é mais explicito no que deve ser a posição dos trabalhadores sobre o tema: “Nós dissemos à burguesia: vocês, exploradores e hipócritas, falam de democracia, ao mesmo tempo que levantam a cada passo milhares de obstáculos à participação das massas  oprimidas na vida política. Nós pegamos vocês pela palavra e exigimos, no interesse dessas massas, a ampliação da sua democracia burguesa, a fim de preparar as massas para a revolução, para a derruba de vocês, exploradores”.

Lenin disse isso em 1917, no início do seu governo socialista, na Rússia. Será que seu discurso envelheceu e não faz mais sentido hoje?

Slavoj Zizek, o grande filósofo e pensador esloveno, pensa que não: “Esta é a grande lição de Lenin para os dias de hoje: paradoxalmente, é só problematizando a democracia – deixando claro que a democracia liberal a priori não pode sobreviver sem a propriedade privada capitalista –  que poderemos nos tornar verdadeiramente anticapitalistas”