O julgamento do nazismo

Compartilhe este texto:

Em artigo que publicou no Sul 21, Tarso Genro diz que, na reunião de Teerã, em1943, entre Stalin, Churchill e Roosevelt, Stalin defendeu a justiça sumária para os líderes nazistas e não seu julgamento por um tribunal. Stalin teria erguido um brinde, dizendo: “Bebo a nossa resolução de os liquidar logo após a sua captura. Todos sem exceção”.

O ex-governador deve ter suas fontes para fazer essa afirmação, porque ela vem contra o que se sabe da política soviética em relação aos nazistas. Mais do que nenhuma outra das grandes potências, o governo soviético, queria expor os nazistas a um julgamento público, não só para mostrar seus crimes, mas para lembrar que isso foi feito, senão com o apoio, ao menos com a tolerância das potências ocidentais (Pacto de Munique) e a colaboração direta de empresários ocidentais, que enriqueceram com o trabalho escravo dos campos de concentração

Em outubro de 1942, o Ministério dos Negócios Estrangeiros soviético divulgou um comunicado oficial declarando que Moscou era a favor de “entregar os líderes da Alemanha fascista ao julgamento de um tribunal internacional especial para puni-los em consonância com toda a severidade do código criminal”.

No mês seguinte, o chanceler  britânico, Anthony Eden, escreveu a seu embaixador em Moscou, criticando a ideia de julgar formalmente os principais criminosos, como Hitler e Mussolini,  “porque seus crimes e responsabilidade eram grandes demais para serem examinados juridicamente”.

Como parte da 3ª Conferência de Moscou, no outono de 1943, os ministros das Relações Exteriores dos EUA, do Reino Unido e da União Soviética assinaram, enfim, um acordo comprometendo-se a levar à justiça “homens e oficiais alemães e membros do Partido Nazista que foram responsáveis ​​por atrocidades, massacres e execuções”

Como fizeram, postergando ao limite a abertura da Segunda Frente na Europa, tentando fazer com o prolongamento da guerra exaurisse tanto os comunistas quanto os nazista, os líderes temiam que o julgamento público dos nazistas se transformasse num palco para lembrar atrocidades que os nazistas cometeram nos países do Leste, fundamentalmente a União Soviética e os esquemas de cooperação no Ocidente, caso do Governo de Vichy, na França.

A Guerra Fria já tinha começado e a política da revisão histórica de quem tinha ganho a Segunda Guerra já começara nos meios de comunicação e naquele  momento o comunismo voltara a ser o grande inimigo a ser combatido.

Foi somente durante a Conferência de Potsdam, no verão de 1945, que, Churchill (substituído depois por Clement Atlee) e Truman  concordaram com Stalin na criação de um tribunal militar internacional para julgar os líderes nazistas por crimes de guerra.


Compartilhe este texto:

1 comentário em “O julgamento do nazismo”

  1. Não sei se é lenda ou verdade. Roosevelt, teria proposto a Churchill e a Stalin, uma consulta ao Papa Pio XII, afinal ele representava milhões de católicos no mundo todo. Stalin, cofiando os bigodes teria perguntado:
    ” De quantas divisões blindadas dispõe este senhor?”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *