Os pedalinhos da Redenção

Compartilhe este texto:

Porto Alegre, 2 de janeiro, meio-dia, 36 graus à sombra, nem uma brisa soprando. Estou de terno e gravata esperando o T5 na Osvaldo Aranha e maldizendo a minha sina de viver numa cidade sem praia e, pelo jeito, sem ônibus também.

Enquanto isso, alguns uns caras estão fazendo feriadão em Garopaba, Bombinhas e até mesmo em Cidreira.

Será que alguém que esteja lendo essa história, com a camisa amarfanhada e o suor correndo pelo rosto, cobrindo como uma névoa a lente dos óculos, pode entender porque insisto em ficar por aqui, quando podia estar a beira-mar, com um chope bem gelado e uma casquinha de siri pela frente, enquanto lindas mulheres circulam, seminuas, pela areia da praia?

Certamente, ninguém, até porque para entender esta louca preferência, teria que conhecer uma história acontecida há 33 anos e isso é muito improvável porque nunca a contei para alguém.

Faço isso hoje, porque terminou no último dia 31 de dezembro a promessa que fiz de guardar segredo sobre aquele estranho acontecimento do verão de 1984

Naquela ocasião, eu e mais um milhão de gaúchos tínhamos programado sair em procissão pela freeway, no final do ano, em direção ao litoral, na busca daquelas delícias que as nossas praias oferecem: o mar sempre marrom, com águas frias a desafiar a nossa valentia de gaúchos machos, restaurantes de comida cara e ruim e, à noite, a tão esperada sinfonia de mosquitos zumbindo em nossos ouvidos.

Tudo pronto para a partida dos intrépidos adoradores do mar, um telefone misterioso mudou minha vida e desfalcou o grupo deste que agora escreve este texto..

Uma voz misteriosa de mulher disse num sussurro:

– Deixa tudo para trás e venha me encontrar nos pedalinhos da Redenção.

– Agora, às 11 da noite, é pedir para ser assaltado.

– Não tenha medo, vale a pena.

E eu fui. Ela me esperava no lago, junto aos pedalinhos. Uma mulher maravilhosa, dessas que só existem nos filmes de Hollywood.

Como essa é uma publicação que as famílias costumam ler, não vou dar detalhes do que aconteceu. Fica por conta da imaginação de cada um. Só não seja tímido.

Pense nas imensas possibilidades que o lugar oferece, com posições nada ortodoxas, dentro do pedalinho, nos gramados próximos e até no lago. Nada disso, deixei de experimentar.

No final, ele me fez uma promessa, mas impôs uma condição.

Nos encontraríamos, sempre na última noite do ano, junto aos pedalinhos da Redenção, mas eu teria que abandonar em definitivo os fins de semana na praia.

E assim, foi durante os últimos 33 anos. O passar dos anos não mudou em nada a beleza dessa mulher sem nome, o que, diga-se de passagem, sempre acontece com estas personagens misteriosas.

Eu, porém, fui envelhecendo, o que me obrigou, a partir de determinado momento a buscar apoio nesses novos afrodisíacos químicos, mas nunca a decepcionei.

Até que no último dia 31, ela me avisou que a nossa aventura chegara ao fim. Por razões que escapavam ao meu entendimento e a sua vontade, ela não retornaria no próximo ano.

Mesmo assim, vou continuar esperando, bem longe do mar, apesar do calor.

Quem sabe ela muda de ideia.

De qualquer maneira, eu já não tenho mais bermudas e muito menos sunga, para pensar em fim de semana na praia.

Caso alguém queira conferir, acho que os pedalinhos ainda existem na Redenção. Só não tente encontrar a mulher misteriosa porque ela está aprisionada na minha imaginação.


Compartilhe este texto:

2 pensamentos em “Os pedalinhos da Redenção”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *