Meus encontros com Elusa Maria;

Compartilhe este texto:

Encontro a Elusa Maria no super. Fomos colegas na UFRGS. Na época, ela era considerada a mais evoluída da turma. O pessoal dizia que ela tinha começado a revolução sexual na Filosofia. Depois casou com o Mário Eduardo, da Engenharia, que segundo era voz corrente, tinha sido do CCC (Comando de Caça aos Comunistas) e parece que custou a se adaptar aos novos hábitos burgueses e à monogamia. A Elusa Maria, que encontro no super na área dos produtos orgânicos, virou como diria o Nelson Rodrigues, uma senhora gorda e patusca. Ela se diz escandalizada.
– Com o quê Elusa Maria?
– Essa Fátima Bernardes não se dá ao respeito. Tirando fotos com um amante 20 anos mais novo na praia. O Boner é muito mais discreto. Botou uma foto com sua nova amiga, junto com os três filhos comemorando o Natal.
Viu só Pinta ? Depois aquelas nossas amigas – a Vera, a Margarete, a Emma, a Ingrid, a Yvana, a Dinah, a Thaís e a Marilésia (faltou alguma Pinta?) ficam nos acusando de preconceituosos, nós que no passado, fomos apenas machistas estruturados (preciso perguntar para o E.F. o que vem a ser essa condição) mas que hoje somos defensores da igualdade dos sexos em tudo. Bem…em quase tudo.

XXX

Bem que a Vera Spolidoro me avisou para deixar a Elusa Maria em paz. Ela ligou para se dizer dividida a respeito do que escrevi sobre ela. Obviamente não gostou de ser chamada de gorda patusca.
– Tô bem esbelta. Eu era apenas uma mulher substanciosa como uma vez me disse a Yvana. Mas,com o “regime da lua” já perdi 10 quilos, claro isso antes daquele jantar que o Mário Eduardo chamou de “pantagruélico” (a propósito, tu que é metido a intelectual, o que é esse negócio de pantagruélico?) e patusca é a senhora sua mãe.
Adorou porém, que eu tivesse lembrado sua fama de precursora da revolução sexual na Filosofia.
– Bons tempos aqueles em que ninguém era de ninguém e todo mundo era de todo mundo – é claro que sempre com alguns cuidados com aqueles caras da Odonto e os pedreiros da Engenharia. A propósito, o Mário Eduardo não é tão careta assim, só um pouco reprimido e ele nunca foi do CCC. Pelo contrário ele era até meio socialista, depois que descobriu que o partido do Hitler era o Nacional Socialista.
Foi difícil desligar o telefone. Ela disse que agora tem um butique na Zona Sul – na parte nobre, longe do rio, onde só andam uns caras tatuados e seus cachorros – e está vendendo umas roupinhas feitas pelas presas do Madre Peletier, para ajudar essas pessoas que não são como nós, que não tiveram oportunidade na vida.
– Eu sou uma mulher solidária com os pobres, claro que mantendo uma razoável distância, porque – acredite – não aprenderam ainda qual é o talher certo para cada prato.
– Tá bem, Elusa Maria, preciso desligar para escrever mais uma provocação no face.
– Aparece e traz a família. A propósito ainda estás casado com aquela sirigaita das Letras.? Se não tá mais, posso te contar o que ela aprontava na nossa época.
Desligo, antes que a Elusa Maria comece a falar sobre o passado da Margarida Heliodora, minha quarta mulher, ou a terceira, não lembro mais. A Ingrid e a Emma foram amigas da Margaeli, como era mais conhecida e vou perguntar pra elas, onde ela entra na minha lista matrimonial. Em último caso, pergunto pro Aldo, que sabe mais que o Google.

 


Compartilhe este texto:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *