Criatividade

Compartilhe este texto:

 

No seu livro Criatividade em Propaganda, Roberto Mena Barreto, ao falar sobre os comitês que analisam uma ideia criativa, justifica sua tese sobre eles com uma ilustração.

Um criativo, todo orgulhoso, mostra sua trabalho – um lindo faisão – para um comitê. No final, depois que todo mundo deu seus palpites, o que sobre a mesa é um pobre frango depenado.

Quando atendi a parte de propaganda do governo Olívio, havia um comitê avaliando os trabalhos que apresentava. O Guaracy, a Vera, a Inara, a Magda, a Ana formavam um grupo que respeitava as boas ideias e ao que me lembro, nunca cheguei a apresentar um faisão para eles, no máximo um galeto.

Fico tentado aqui a contar uma dessas histórias sobre comitês, ao estilo Edgar Ferreti. Só que nas histórias do Edgar tem sempre um grande herói vencedor, ele, e nessa que vou contar, só perdedores.

No início do Governo Sarney eu atendia pessoalmente a conta do Conselho Nacional dos Direitos da Mulher, em Brasília. Como minhas amigas podem ver, minha vivência com ativistas feminista é antiga. Em determinado momento, eu devia apresentar um vídeo comemorativo à criação do Conselho.

Fui com o Enio Lindenbaum apresentar o resultado à presidente Terezinha Pintagui. Como acontece nas histórias do Ferreti, aprovação “cum lauda”. Só que a minha história não termina aí, diferente, portanto,das que o Ferreti conta.Entusiasmada, a presidente resolveu mostrar a peça a um grupo de mulheres que estava em Brasília para as comemorações, entre elas a diretora de cinema Tizuka Yamasaki (descobri depois que ela nasceu no bairro Belém Novo, em Porto Alegre) famosa na época pelo seu filme Gaigin, sobre a colonização japonesa no Brasil.

Exibido o vídeo, silêncio geral à espera da palavra da única especialista na sala,a diretora Tisuka Yamasaki . E ela foi curta e grossa: “achei tudo uma merda”. Depois de muitos apelos da presidente e a garantia de um bom cachê, ela se dispôs a ficar mais alguns dias em Brasília e rodar uma nova versão completamente diferente da que eu tinha apresentado.

Lembro apenas de uma cena do seu vídeo: um grupo de mulheres subindo a rampa do palácio com os punhos erguidos.Obviamente despeitado, achei o novo trabalho uma grande merda. As mulheres do Conselho, não. Não sei até hoje como o Enio, que produziu os dois vídeos,conseguiu cobrir todos os custos e ainda pagar o cachê da Tizuka.


Compartilhe este texto:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *