Um amor de cinema

Compartilhe este texto:

Sempre que tenho um problema existencial procuro o Vincent, o cinéfilo, para ouvir seus conselhos. O problema é que com ele tudo precisa ser visto sob a ótica do cinema.

– Vincent, estou apaixonado

– Como é essa personagem

– É uma mulher madura, bonita, inteligente, irônica, experiente.

– Como quem?

– Jeanne Moreau, de Jules e Jim

-Interessante. Fale mais

– Uma mistura de Isabelle Huppert com Susan Sarandon.

– Isso não existe. É fantasia tua.

– Existe sim e quero conquistar seu coração. Só tenho dúvidas se minha apresentação vai agradá-la

– Você tem que aparecer como alguém poderoso. Assim como a Lennie Riefestahl mostrava aqueles alemães. Imponentes. Sempre em tomadas de baixo para cima.

– Isso talvez a afaste. Tanta imponência. Pensei em algo que mostrasse a minha força de macho, mas sem assustá-la.

– Claro, Clark Gable em E o Vento Levou. Um homem dominador, mas gentil.

– Mas ela talvez nem tenha visto esse filme que é muito antigo.

– Alain Delon no papel do príncipe Tancredi, em o Gattopardo, do Visconti.

– Ele não é bonito demais? Acho que ela não vai acreditar

– Antônio Banderas em Evita. As mulheres gostam de um toque latino.

– Dizem que as mulheres gostam de homens carentes. Que elas querem se sentir protetoras.

– Claro, Marcello Mastroianni, em Um Dia Muito Especial, com a Sophia Loren.

– Mas, o Marcelo faz um viado. Não vai cair mal?

– O James Dean, então, em Juventude Transviada.

–  Mas ele também parece que não amava as mulheres. Pensei em alguém mais real, mais sofrido.

– Claro, Dustin Hoffmann, abandonado pela mulher má, a Meryl Streep, na véspera de Natal e precisando arrumar um emprego para não perder a guarda do filho, em Kramer x kraemer.

– E se ela se identificar com a Meryl. No filme, ele é uma mulher que não quer se prender à vida doméstica. É dramático demais. Nos filmes, as mulheres não gostam de homens tão perdedores assim.

– Tem razão, tem que ter a medida certa.

– Certo, nada de dramalhão. Que tal um personagem carente, mas também alegre?

– Jim Carey, em Todo Poderoso

– Espalhafatoso demais. Acho que ela não vai gostar

– Alec Guiness, em o Homem do Terno Branco

– Inglês demais e muito antigo.

– Jean Paul Belmondo ou Yves Montand

– Mas nenhum é muito alegre

– Mas são franceses e o charme pode ser uma forma de compensar a falta de alegria

– Não sei, não. Mas ela é uma mulher dominadora. Preciso passar a ideia de que ela não é a única. Que existem outras interessadas.

– Qualquer filme do OO7 com Sean Connery

– Mas, ele não é volúvel demais?

– O Sean Penn?

– De novo um cara que fez papel de viado em Milk. Ela jamais pode pensar em que eu tenha algum tipo de inclinação para … bem tu sabes para o quê

–  Michael Douglas, um cara acima de qualquer suspeita.

– Mas dizem que ele é viciado em sexo. Acho que ele não vai confiar num cara que só pensa naquilo.

– Matt Damon como Jason Bourne, durão, mas fiel aos seus amores?

– Talvez um sujeito cheio de dúvidas existenciais? Não sei se te disse, mas ela é uma intelectual e intelectual não gosta de certezas.

– Certo. James Stewart em Janela Indiscreta ou em qualquer outro filme. Ele sempre está com aquela cara de dúvidas, do sujeito que não sabe onde meter as mãos.

– Compondo um tipo com a mistura de todos esses personagens, você acha que conquisto essa mulher?

– Acho que ela não vai resistir. Mas o que você pretende fazer com ela?

– Entre outras coisas, levá-la para cama. Mas aí, me encho de dúvidas. Ela é uma mulher experiente. Já passou por todos esses filmes e se ela ficar esperando um Humprhey Bogart, um Paul Newmann ou até mesmo um Stallone e der de cara com o Marcello Mastroianni de o Belo Antônio?

– Você tem que buscar alguns apoios químicos e pensar que é o Leonardo de Caprio

– Vou tentar

– Mas atenção então: nada de A Um Passo para a Eternidade com Burt Lancaster e Debora Kerr, principalmente naquela cena dos dois rolando na praia; muito menos O Último Tango em Paris, com Marlon Brando. Manteiga, então, nem pensar. Na tua faixa etária é melhor ir de Clint Eastwood de as Pontes de Madison, namorando a Meryl Streep.

The End

Qualquer semelhança com pessoas vivas ou mortas é mera coincidência.

 

 


Compartilhe este texto:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *