Os excessos da Justiça

Compartilhe este texto:

10432759

O bancário Ricardo Neis foi condenado a quase 13 anos de prisão em regime fechado, acusado de atropelar um grupo de ciclistas em fevereiro de 2011, à noite, no cruzamento das ruas José do Patrocínio com República.

Não houve ferimentos graves, muito menos mortes, entre os ciclistas atingidos.

Arriscando críticas dos politicamente corretos e desagradando profundamente minha especial amiga Vanessa Melgaré, que sempre apoiou o movimento dos ciclistas de Porto Alegre, vou dizer que acho um absurdo atribuir uma pena tão grande para alguém, que pode ter sido negligente, até irresponsável, mas que não agiu com dolo no sentido de ferir alguém.

O que sobraria então para aqueles play boys que faziam racha na Avenida 24 de Outubro e causaram ferimentos graves numa mulher junto ao Parcão?

Obviamente havia toda uma corrente de opinião pública que  condenava de antemão o bancário e deve ter influenciado o júri.  São pessoas que confundem a luta de classes com sentimentos individuais de raiva contra alguém aparentemente mais rico.

Azar do réu que enfrentou um julgamento como este, onde as opiniões foram previamente formadas pela mídia. Some-se a isso uma série de elementos contrários à sua defesa para entendermos a enormidade da pena.

Primeiro, a expectativa da sociedade, assustada com o aumento da violência e disposta a inverter aquela famosa frase latina “in dubio pro reo”, cuja leitura passa a ser, na dúvida, contra o réu.

Segundo a fúria condenatória dos jurados que querem meter todo mundo na cadeia, ainda que, com o perdão da palavra, as cadeias estejam botando pelo ladrão.

Terceiro: enquanto a promotoria dispõe de todas as informações sobre os jurados e testemunhas, através do acesso às consultas integradas da polícia, a defesa conhece na hora quem vão ser os julgadores.

Quarto: no caso específico do julgamento do bancário, uma das juradas caiu em sono profundo no momento que o réu estava expondo suas razões. Obviamente, essa jurada já tinha feito sua escolha e não estava interessada em ouvir a defesa.

Nunca tive bicicleta e hoje não tenho também carro, mas posso entender o sentimento de pânico de uma pessoa fechada dentro de um carro, cercada por dezenas de ciclistas, nem todos com atitudes amistosas.

Seria interessante que os seus acusadores se colocassem no lugar do motorista assediado, por alguns momentos, para entender o que deveria estar passando na sua cabeça naquela ocasião.

Vamos concordar que ele estava dentro de um carro numa posição menos vulnerável que os ciclistas, mas nada me impede de pensar que 30 homens e mulheres que cercavam o carro, estavam também numa posição numericamente muito mais forte do que o motorista sozinho.

Quem anda pelas ruas de Porto Alegre sabe que nem todos os ciclistas são santos e nem todos os motoristas são demônios.

Apesar dos quilômetros de ciclovias já construídos pela cidade, nada mais comum do que ver ciclistas rodando pelas calçadas e ameaçando a segurança dos pedestres.

Sou contra qualquer violência no trânsito parta ela de motoristas, ciclistas e até mesmo pedestres, mas continuo achando uma demasia a condenação do bancário e não vou deixar de pensar assim, porque, como disse uma vez o Millôr Fernandes, livre pensar é só pensar.


Compartilhe este texto:

2 pensamentos em “Os excessos da Justiça”

  1. De fato, existem ciclistas que não são gente boa. Em particular, aqueles que gostam de trafegar na contramão. Todavia, muito mais grave é a atitude média dos motoristas de automóveis, e por uma simples razão: a energia movida, ou locomovida, por estes veículos é muito maior do que a de uma bicicleta. Isto um pedestre sente logo ao sair de casa, ao se ver agredido por carros saindo de garagens, assumindo que a calçada é prioritária para os carros. Afinal de contas, o peso, o momentum e a energia transportada por um carro facilmente “passam por cima” dos fracos poderes de um pedestre. O que dizer então das ruas, quero dizer, fora das calçadas? É muito pior. Livre pensar é só pensar, mas isto não quer dizer que se deva elogiar pensar asneiras. Um dos poucos movimentos em prol de um trânsito mais humano não deveria ser atacado. Obviamente os ciclistas do Massa Crítica não estavam agredindo ninguém, bem pelo contrário. Estavam se manifestando em favor de ruas mais “carinhosas” e menos do “quem pode mais chora menos”. Observação: não faço parte do movimento. Sequer tenho bicicleta, muito menos carro. Lamentável texto.

  2. Também não possuo bicicleta nem automóvel. Mas não pode haver a mínima possibilidade de um carro(auto para os gaúchos) levar vantagem sobre as magrelas seja o que for. E por falta total de vergonha(e por outros interesses) dos nossos governos municipais, estaduais e federais não são implantadas as ciclovias com mais rapidez. Mas tenho que concordar com o Marino: uma pena de 13 anos de reclusão em prisão fechada é um absurdo. Faça-o pagar os médicos e hospitais caso houvesse esta necessidade, pagar os consertos das bicicletas e uma pena para serviços comunitários (a um prazo definido, talvez os próprios 13 anos).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *